O CRAVO E A ROSA


CENÁRIO: UM JARDIM

ABREM-SE AS CORTINAS, A ROSA ESTÁ EM CENA. LINDA, VERMELHA. QUASE UMA PRINCESA.

ROSA            – Bom dia, dia! Bom dia, Sol! Que lindo dia para encontrar um belo namorado. Tomara que aquele Lírio lindo passe por aqui hoje! Tenho certeza que hoje ele vai me notar, pois estou mais bonita do que os outros dias. E se ele olhar pra mim… Aaaaaaiiii… acho que vou desmaiar de emoção!

ENTRA EM CENA O CRAVO. SIMPLES, SEM GRAÇA, UM CAIPIRA. TRAZ UM VIOLÃO.

CRAVO         – Bão dia, minha princesa!

ROSA            – Estava um bom dia… Até você aparecer por aqui.

CRAVO         – Mas, ocê tá uma belezura hoje, hein?

ROSA            – Você não tem outro lugar pra ir não?

CRAVO         – Que lugar desse jardim todo eu vô achá uma Rosa mais linda que ocê?

ROSA            – Larga do meu pé, chulé!

CRAVO         – Só largo do seu pé quando ocê aceitá namorá com eu?

ROSA            – Não é: namorar com eu! É namorar comigo!

CRAVO         – Inton, ocê aceita?

ROSA            – Claro que não! Já falei que não quero nada com você. Se você quiser, posso até ser sua amiga. Mas, só!

CRAVO         – Fiz até uma moda pr’ocê. Iscuita só!

CRAVO DEDILHA UM ACORDO SERTANEJO NO VIOLÃO.

ROSA            – Pode parar, pode parar, pode parar! Eu odeio a sua cantoria. Agora me dá licença que está quase na hora do meu futuro namorado passar por aqui.

CRAVO         – Mas, o seu namorado já táqui. Oia só!

FAZ POSE DE FORTÃO E ESBOÇA UM OLHAR SEDUTOR.

CRAVO         – Não sou uma beleza?

ROSA            – Você é um chato, isso sim! Agora vai procurar a Margarida, vai! Quem sabe ela não te dá bola? Pois o meu negócio é com o Lírio! Ele sim, é lindo, elegante, perfumado.

CRAVO         – Ih, tá me chamando de fedido?

O CRAVO SE CHEIRA. FAZ MENÇÃO DE SE SENTIR FEDIDO.

ROSA            – (RINDO) Viu só! Até você não agüenta o seu cheiro.

CRAVO         – Oia aqui, sua… sua… Qué sabê de uma coisa? Eu num quero mais sabe de ocê. E fica aí mesmo esperando aquele almofadinha do Lírio, fica!

ROSA            – Fico mesmo, ta?

CRAVO         – Vai ficá esperando e vai até cansá!

ROSA            – Quem disse que eu vou cansar?

CRAVO         – Quem disse que o Lírio vai te bola?

ROSA            – Eu sou a Rosa, a mais bela do jardim!

CRAVO         – Seu eu fosse ocê, aceitava logo namorá com eu!

ROSA            – Já falei que não é com eu! É comigo! É comigo! E o Lírio, vai sim querer namorar comigo, ta?

CRAVO         – Intão ta bão! Quero vê quando ocê ficá véia, feia, murcha, sozinha e toda despetalada? Aí, nem adianta vim me procurá, viu?

ROSA            – Seu horroroso. Eu é que nunca vou namorar com você! Você é um grosso! Fora daqui!

A ROSA ATIRA UM VASO EM CRAVO. ELE TENTA SE PROTEGER E DEIXA O VIOLÃO NO CHÃO. O CRAVO SE ESCONDE E FICA OBSERVANDO ROSA.

ROSA            – Esse Cravo é um insuportável! O pior é que ele não larga do meu pé! Eu vou lhe mostrar uma coisa. Volta aqui!

ROSA VAI ATÉ O CENTRO DO PALCO E PROCURA POR CRAVO.

ROSA            – Cravo, cadê você! Seu sem graça! Aparece. Agora!

ROSA PÁRA NO CENTRO DO PALCO, OLHA E NÃO VÊ NINGUÉM.

ROSA            – Será? Será que o Cravo tem razão? Será que o Lírio não vai querer namorar comigo? E eu vou ficar sozinha? Não! Não posso ficar sozinha! Velha, feia, murcha e despetalada? Aí que medo! Ei, Cravo, volta aqui. Você está certo! Não quero mais saber de esperar o Lírio. Eu aceito namorar com você!

A ROSA VOLTA A PROCURA POR CRAVO.

ROSA            – (CHOROSA) Cravo! Cravo! Cadê você?

O CRAVO SAI DO ESCONDERIJO COM UM LENÇO SUJO DE VERMELHO AMARRADO NA CABEÇA.

CRAVO         – Ai! Ai minha cabeça!

ROSA            – O que aconteceu?

CRAVO         – Ocê num alembra? O vaso que ocê jogou ni mim?

ROSA            – Desculpa, Cravo. Não queria te machucar!

CRAVO         – Mas, machucô!

ROSA            – Deixa eu ver isso!

CRAVO         – Não! Meio ocê nem mexe!

ROSA            – Então vamos fazer as pazes!

CRAVO         – Tá bem! Eu aceito suas desculpas!

ROSA            – Você gosta mesmo de mim?

CRAVO         – Craro que gosto! Ocê sabe que sim. Mas se ocê prefere o Lírio, ocê precisava sabê que vai ficá véia, feia, murcha, despetalada e sozinha pra sempre!

ROSA AMEAÇA BATER EM CRAVO.

CRAVO         – Ai!… Tô vendo tudo escuro! Acho que vô desm…

O CRAVO DESABA NO CHÃO, DESMAIADO.

ROSA            – (DESESPERADA) Ai, Desculpa! Eu não ia fazer nada em você! Socorro! Eu aceito até namorar com você! Alguém me ajude, por favor! Será  que eu matei o Cravo? Agora que estou perdida mesmo. Vou ficar velha, feia, murcha, sozinha, despetalada e passar o resto da minha vida na cadeia.

A ROSA CORRE PELO PALCO. O CRAVO LEVANTA A CABEÇA E RI DO DESESPERO DA ROSA. ELA VOLTA ATÉ ELE E ELE SE DEITA DE NOVO.

ROSA            – (CHORANDO) Cravo! Meu amigo Cravinho! Fala com a sua Rosa! Eu pensei melhor. Eu aceito namorar com você. Me dá um sinal.

ROSA SE AJOELHA E APOIA A CABEÇA DE CRAVO EM SEUS BRAÇOS. O CRAVO ABRE O OLHO E DÁ UM GEMIDO.

ROSA            – Cravo! Você está bem?

CRAVO         – Quem é ocê?

ROSA            – Sou eu! A sua Rosa. Lembra?

CRAVO         – Que Rosa?

ROSA            – A sua namorada!

CRAVO         – Eu num tenho namorada.

ROSA            – Agora tem! Eu aceito namorar com você!

O CRAVO DÁ UM PULO E FICA DE PÉ.

CRAVO         – Jura? Sabia que ocê gostava de eu!

ROSA            – Não é gostava de eu! É, gostava de mim! E você não passa de um mentiroso! Eu vou acabar com você! Onde já se viu enganar  os  outros. Eu

toda preocupada e você aí, fingindo! Seu grosso!

ROSA AMEAÇA BATER NO CRAVO.

CRAVO         – Ai, minha cabeça!

ROSA            – (COM RAIVA) Como você pôde fazer isso comigo? Assim que você gosta de mim? Eu não quero mais saber de você. Nunca mais! Nem que eu fique velha, feia, murcha, toda despetalada e sozinha!

ROSA DÁ UM EMPURRÃO NO CRAVO

ROSA            – E sai da minha frente!

ROSA SAI DE CENA FURIOSA.

CRAVO         – Espera por mim, minha belezura! Num faz assim com eu! Eu gosto de ocê de verdade! Foi só uma brincadeira! Eu sabia que ocê gosta de eu! Eu sabia!

O CRAVO SAI ATRÁS DE ROSA. ENQUANTO ELE SAI, TOCA A MÚSICA: O CRAVO E A ROSA.   

APAGAM-SE AS LUZES. FECHAM-AS CORTINAS.              

– FIM –

Anúncios

2 Responses to O CRAVO E A ROSA

  1. margarete bohrer klein disse:

    oi
    sou professora e estou procurando alguns textos de teatro para meu aluninhos.
    Gostei muito do blog.
    Um abra;o

  2. sonia dos santos pepi disse:

    gostaria de saber a historia do cravo e a rosa como se fossem namorados

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: