A ÚLTIMA CHANCE


Sai

Deixei a cama desfeita

A janela fechada

Vesti-me enquanto corria

Roupa amassada

Tênis desamarrado

 

Ganhei a rua

O Sol já ardia a pino

O suor corria pelo rosto

Gosto de sal

Atravessei o sinal

Entre carros que iam e viam

Era a última chance

 

Cabelos grisalhos

Barba mal feita

Corpo cansado

Um riso no canto da boca

Enganava o passado

Que passava pelos olhos

Que só queriam o futuro

 

Um pequeno lampejo

A ilusão de um desejo

A vida apressada

O tudo por nada

Coração descompassado

Uma esperança

A alma clamava

Uma última chance

 

O longe de ontem

Não mais tão distante

Ainda é longo o caminho

Às vezes, sozinho

O medo tenta tomar a frente

Não desta vez

 

Punhos cerrados

Mordida afiada

Não há desistência

É preciso coragem

Busco o equilíbrio

Inspiro, aspiro, respiro

Tomo fôlego, persisto

Se ainda há vida

Há uma última chance

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: