Samba Lelê tá doente


Chegamos a mais uma semana em que se comemora o folclore nacional e uma pergunta me surge: Será que ainda há espaço nas escolas para divulgar e difundir a cultura popular, seus mitos e lendas? Será que as crianças de hoje sabem alguma cantiga de roda, alguma brincadeira, parlenda, ou até mesmo algum trava-línguas? Será ainda que as crianças de hoje, sabem o quão é importante a preservação desta data?

Ainda me lembro bem dos meus tempos de escola quando comemorávamos o dia do folclore, aquele universo que me foi mostrado, habita até hoje o meu imaginário e acho até que me ajudou muito, a saber, que me era permitido imaginar. Mas, parece que toda aquela cultura preservada a séculos já não se mostra tão importante. A cada dia que passa, um pouco de nossa cultura vai ficando esquecida.

Vejo, muito indignado, toda a mercantilização que envolve as comemorações pelo tal “hallowenn” americano que nada tem a ver com a nossa cultura. Uma enxurrada de abóboras assustadoras, bruxas nas cores laranja, roxa e preta tomam conta das vitrines, das redes sociais, dos pátios de escolas, em uma comemoração que não nos diz nada, apenas deixa transparecer o quanto estamos deixamos de ser nós para sermos eles.

Canções, lendas e mitos que contribuíram na construção de nossa identidade cultural como um país, está ficando relegada, dependendo das poucas iniciativas de alguns professores que, felizmente, ainda entendem ser importante a divulgação, difusão e preservação de nossa cultura. Somos o que somos por tudo aquilo que fomos e, quanto mais nos afastamos de quem fomos, nos tornamos pessoas que deixarão de se reconhecer como um povo independente.

Pode parecer banal deixar de lado as comemorações do dia do folclore, não há de causar grandes estragos em nossas crianças. Ledo engano! Hoje já vemos muitas crianças que não se identificam mais com a nossa cultura, pois, lendas e mitos importados já habitam os seus imaginários e não há mais espaços para histórias de saci, de mula-sem-cabeça, de curupira, de lobisomem, de boitatá, de neguinho do patoreio, nem dos cantos de Iara mãe d’água.

Samba Lelê tá doente e não está apenas com a cabeça quebrada, parece que samba Lelê não tem mais cura, pois todo o universo do folclore nacional que exercia um enorme fascínio em tempos idos, agora está ficando cada vez esquecido, jogado no fundo do mesmo baú onde já dormem as velhas bonecas de pano, os velhos soldadinhos de chumbo, os piões e suas fieiras, as cordas, as bolinhas de gude e as brincadeiras de roda.

Uma resposta para Samba Lelê tá doente

  1. Convido a todos para o espetáculo SAMBA-LELÊ, no Espaço Tom Jobim, no Jardim Botânico, RJ, sábados e domingos, às 9h30:
    https://www.facebook.com/events/988612701212106/

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: