E AÍ, SEU GÊNIO?


Em cena, um homem de meia idade, sentado no proscênio, tem uma corda amarrada no pescoço.

HOMEM – Não adianta! Não adianta!… Coragem, homem! Pula logo e acaba com essa vida miserável! Coragem!

O HOMEM SE LEVANTA, ANDA PELA CENA ATRÁS DE ALGO PARA AMAR-RAR A CORDA E TROPEÇA EM UMA GARRAFA.

HOMEM – Droga! É tanto lixo nesta droga de cidade que nem pra se matar um homem pode!

O HOMEM PEGA A GARRAFA.

HOMEM – Olha só isso: uma garrafa!

O HOMEM SACODE A GARRAFA.

HOMEM – Droga! Tá vazia! Bem que podia tá cheia! Assim eu aproveitava e tomava mais um pouco de coragem!

O HOMEM JOGA A GARRAFA, UMA NUVEM DE FUMAÇA ENCHE A CENA.

HOMEM – Que isso?

DA FUMAÇA, SURGE UM HOMEM VESTIDO DE GÊNIO.

GÊNIO – Obrigado por me libertar da garrafa, agora, o amigo tem direito a fazer três pedidos.

HOMEM – O quê?:

GÊNIO – Três pedidos! Qualé, tu nunca ouvi falar nas histórias de gênios?

HOMEM – Isso é uma alucinação! Deve ser efeito de tanto remédio e tanta bebida que misturei arrumando coragem pra me matar!

GÊNIO – E aí, mané? Vai ficar aí parado ou vai fazer logo os seus pedidos?

HOMEM – Quer dizer que você é um gênio?

GÊNIO – Um legítimo representante da classe dos gênios das lâmpadas mara-vilhosas! Taqui o meu cartão!

O HOMEM PEGA O CARTÃO QUE O GÊNIO LHE ENTREGA.

HOMEM – (LENDO O CARTÃO) Adamastor, o gênio! Trago o seu amor em três horas, tiro olho gordo, faço banho de descarrego, faço amarração, simpatia pra tudo de ruim na sua vida! Faça agora mesmo o seu pedido! Aliás, três pedidos!

GÊNIO – É isso! Serviço garantido! Pode pedir!

O HOMEM TIRA A CORDA DO PESCOÇO E A JOGA NO CHÃO.

HOMEM – Então tá certo! Quer dizer que posso pedir o que quiser?

GÊNIO – Pode!

HOMEM – Então, vamos lá!

GÊNIO – Mas pense bem, pois pedido feito é pedido atendido!

HOMEM – É qualquer coisa mesmo?

GÊNIO – Qualquer coisa! Aliás, três coisas! Tu tem direito a três desejos!

O HOMEM ANDA PELA CENA, PENSATIVO.

GÊNIO – Como que é? Eu não tenho o dia todo!

HOMEM – Calma aí! São só três pedidos, não posso errar!

O HOMEM CONTINUA ANDANDO. O GÊNIO PEGA A CORDA E COLOCA NO SEU PESCOÇO.

HOMEM – Seu gênio, posso pedir qualquer coisa?

GÊNIO – Já não falei que pode?

HOMEM – Então vou fazer o primeiro pedido.

GÊNIO – Manda!

HOMEM – Eu quero que você me dê coragem!

GÊNIO – É pra já!

O GÊNIO BATE PALMAS E DÁ UM ASSOPRO EM DIREÇÃO AO HOMEM.

GÊNIO – Pronto! Agora tu é o cabra mais macho desta terra!

HOMEM – Já to me sentido bem corajoso!

GÊNIO – Então, agora manda outro!

O HOMEM ANDA DE NOVO PELA CENA.

HOMEM – Um outro pedido… um outro pedido… Já sei!

GÊNIO – Vê se capricha, hein?

HOMEM – Eu quero ter muita força!

GÊNIO – É pra já!

O GÊNIO BATE PALMAS E DÁ UM ASSOPRO EM DIREÇÃO AO HOMEM.

GÊNIO – Agora você é o homem mais forte do mundo!

O HOMEM FAZ POSE DE FORTÃO. MOSTRA OS BÍCIPS.

HOMEM – É, já estou me sentido bem mais forte!

GÊNIO – Agora vê se capricha, porque é teu último pedido.

HOMEM – Deixa eu pensar!

O HOMEM ANDA PELA CENA.

GÊNIO – E aí, como é que é? Qual o seu terceiro pedido?

O HOMEM SE COLOCA NA FRENTE NO GÊNIO, LHE ARRANCA A CORDA DO PESCOÇO E LHE ACERTA UM SOCO. O GÊNIO DESABA, DESA-CORDADO.  O HOMEM PEGA A CORDA, A COLOCA EM SEU PESCOÇO E SE COLOCA EM PÉ NO PROSCÊNIO.

HOMEM – Eu não consigo nem concretizar um desejo, aí vem um maluco dizendo que é um gênio e me diz que vai me realizar três pedidos? Será que nem me matar em paz eu posso?

O GÊNIO SE LEVANTA.

GÊNIO – Teu desejo é uma ordem!

O GÊNIO BATE PALMAS E DÁ UM ASSOPRO EM DIREÇÃO DO HOMEM. A MÃO DO HOMEM GRUDA NA CORDA E ELE VAI APERTANDO A CORDA, MAIS, MAIS E MAIS.

HOMEM – (Quase sem ar) Socorro!!.. E aí, seu gênio, não vai me ajudar?

GÊNIO – Não posso fazer mais nada, o Mané aí já fez os três pedidos!

HOMEM – (Já de joelhos) Socorro!… Eu vou morrer!! Me ajuda!!

GÊNIO – Pediu, o Gênio realizou!

O HOMEM FAZ MÍMICAS PEDINDO QUE O GÊNIO LHE AJUDE, VAI TENTANDO SOLTAR A CORDA DO PESCOÇO.

GÊNIO – Agora preciso ir. Bye, bye… Manézão!

O GÊNIO BATE PALMAS, UMA NUVEM DE FUMAÇA ENCHE A CENA. O HOMEM CAI ESTIRADO NO CHÃO. BLACK-OUT.

FIM

Anúncios

7 Responses to E AÍ, SEU GÊNIO?

  1. Luana Araújo disse:

    Preciso saber o nome do autor da peça.
    Att.
    Luana Neto

  2. Paulo Sacaldassy disse:

    Oi, Luana. A peça é minha. Paulo Sacaldassy

  3. mellanie marques disse:

    bom dia, qual o tipo de publico alvo que o escritor quis abordar ,ou seja qual o tipo de publico você queria que se enteressace?

  4. Paulo Sacaldassy disse:

    Mellanie, acho que cabe a todo tipo de público. Não tinha nenhum público alvo quando escrevi

  5. Karol Meireles disse:

    Essa peça serve para representar o tema ” Contos de Mistério ” ?

  6. Paulo Sacaldassy disse:

    Não, Karol! Mas tem um outro aqui mesmo no blog: Superstição, Eu não!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: